Buscar
  • Cotidiano em Crônicas

Antipatia

Atualizado: 20 de Nov de 2020

Chama-se de antipatia gratuita a aversão que alguém sente por outra pessoa sem nenhum motivo aparente. E era exatamente isso que existia entre aquelas duas mães. Detestaram-se assim que se viram.

- Não gosto do jeito dela – dizia uma.

- Parece que tem o rei na barriga – retrucava a outra.

Nunca trocaram uma palavra sequer e não havia nenhum argumento racional que pudesse explicar a razão daquela antipatia.

Viram-se pela primeira vez no clube. Tinham filhos da mesma idade e moravam no mesmo bairro. E mesmo assim julgavam não ter nada em comum. A não ser a tal antipatia gratuita.

Quis o destino que os filhos, ainda muito pequenos, se tornassem amigos. Brincavam na piscina do clube, estudavam no mesmo colégio e participavam do mesmo grupo de amigos.

Nada disso, contudo, serviu para aproximar as mães. Ao contrário, aumentou a aversão. Ninguém entendia. E a ausência de lógica que justificasse a antipatia colaborava para que surgissem rumores de que a inimizade vinha de longa data, envolvendo supostas maldades cometidas de um lado e outro. Tudo sem nexo. Elas simplesmente não iam mesmo uma com a cara da outra.

A amizade dos filhos crescia na mesma medida que aumentava a aversão entre as mães. Os garotos estavam sempre juntos e chegaram até mesmo a namorar duas meninas muito amigas.

Na formatura dos filhos, as mães sentaram-se em mesas bem distantes, embora vez ou outra tentassem espiar o que cada uma estava fazendo.

Os garotos foram fazer faculdade em cidades diferentes, prometendo que a amizade não seria abalada pela distância.

Mas, com o passar dos anos, fizeram novos amigos, ocuparam o tempo com o estudo e outras atividades e a promessa da adolescência não foi cumprida. Deixaram de ser amigos para ser apenas conhecidos de infância.

Sem a presença dos filhos para buscar no colégio ou levar a uma festa, as mães também deixaram de se encontrar. Pareciam ter se esquecido uma da outra.

Até o dia em que se esbarraram em um supermercado. Literalmente, esbarraram-se. Corredor estreito, carrinhos de compras chocando-se e um polido pedido de desculpas de ambos os lados.

Passado o constrangimento inicial, sentiram a necessidade, em nome da boa educação, de perguntar sobre o filho uma da outra.

- Ah, meu filho vem muito pouco para cá. Está fazendo estágio agora e parece que eles crescem e esquecem da gente.

- É verdade. O meu também quase nunca vem visitar e quando vem, passa a maior parte do tempo com os amigos.

Ambas suspiraram diante das agruras da maternidade.

- Até que a voz dela não é tão esganiçada como eu achava – pensava uma.

- Ela até que não é tão falsa como parecia – refletia a outra.

Terminaram as compras juntas, deixaram o supermercado juntas e quase num impulso marcaram um café para o dia seguinte.

Descobriram que estavam lendo o mesmo livro, que têm a mesma opinião sobre política e que até votaram no mesmo candidato.

Hoje são amigas inseparáveis, o que deixou muito confusos os amigos, mas estes também celebraram o fim daquela desavença sem sentido. Sobre a antiga antipatia gratuita jamais disseram uma só palavra.

Conversam sobre tudo, mas principalmente sobre os filhos ingratos que nunca ligam e nem aparecem nos feriados.


34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Amigos

 

Formulário de Inscrição

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn

©2020 por Cotidiano em Crônicas. Orgulhosamente criado com Wix.com